quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Feminismo? Tá na hora de você conhecer


A gente sabe que a sociedade é machista. Que garota nunca ficou possessa pelo irmão poder fazer muito mais coisa do que ela, não poder andar sozinha na rua, não poder sair de casa com aquele shortinho lusho, não pode brincar de carrinho de controle remoto, tem que sentar de tal jeito quando tá de saia, tem que estar sempre linda e cheirosa, se gostar de algumas coisas consideradas "masculinas" é chamada de lésbica, não pode ficar com muitos caras senão é puta (enquanto eles são os super pegadores), não conseguir andar na rua sem algum babaca mexer com você... é tenso ser mulher hoje em dia, apesar de todas as conquistas que as feministas conseguiram para nós (direito de voto, de usar calça, de ter a profissão que quiser, entre outras).

A gente costuma muitas vezes se surpreender quando alguém se diz feminista, mas nos esquecemos que somos, em grande maioria, criadas para sermos machistas. Pra  acharem que homem tem que ser assim e assado, e mulher tem que ser de tal e tal jeito. Que é feio mulher fazer tal coisa. Que mulher é "naturalmente" x ou y.

A lição básica de hoje é: O que é feminismo?
Feminismo é uma teoria de igualdade, que busca igualar homens e mulheres não somente em direito civis (ex.: voto), mas também numa questão social, como garantir que mulheres tenham o direito de vestir uma sainha curta sem ter um cara escroto te secando e te fazendo ficar constrangida. A igualdade que buscamos vai além de salários, profissões e direito de votar: ela alcança o bem-estar pessoal. O direito de fazer o que você quiser da sua vida (vestir o que quiser, ter o corpo que quiser, beber sem te dizerem que mulher bebendo é feio, gostar de sexo sem ser humilhada por isso...).


Parece que a gente já tem o direito de fazer isso tudo, que não faz quem não quer e etc., mas não é verdade. Eu mesma já deixei de vestir um short curto que amo porque sempre que passava num determinado lugar quando ia sair, mexiam comigo. Aqueles caras que me chamavam de "gostosa" me constrangiam e eu preferi guardar o short para outras ocasiões a passar por isso todo santo dia. Eles tiraram a minha liberdade de ir para onde eu quiser com a roupa que eu quiser.

Quantas amigas já deixaram de ficar com mais um carinha em algum lugar por medo de ficar com fama de periguete? Muitas. As pessoas (inclusive outras mulheres, outras garotas da nossa idade. Talvez até mesmo você que está lendo isso, hein!) que condenam mulheres por terem vários parceiros tiram a liberdade delas de fazerem aquilo que querem com o seu corpo. Elas se sentem inibidas e obedecem as regras da sociedade para serem aceitas, ao invés de fazerem o que querem.

"Ah, mas você que é boba de ligar pro que os outros pensam de você!", alguns diriam. Pois é. Sou boba mesmo. Eu e grande parte da população, não só mulheres. É inevitável que algumas pessoas vão se importar com o que falam, e por isso todo mundo deve parar pra pensar que muitas mulheres estão deixando de viver a vida delas simplesmente porque nossa sociedade (machista) quer um modele perfeito de mulher.

Qual seria esse modelo perfeito de mulher?
Bom, vamos lá. Nem alta, nem baixa, magra, peitões, depiladinha em todos os lugares possíveis, cabelão lisinho, sem estria nem celulite, voz meiga, educada, gentil, estável emocionalmente, paciente, altruísta e prendada.
"Ah, mas eu conheço um cara que prefere..." sim, todas conhecemos. Mas esse é o padrão de beleza e comportamento que vende nos comerciais, nas revistas. Mulheres vão às spas para se depilarem, emagrecerem, alisarem os cabelos. Colocam mega-hair. São repreendidas quando são hostis ou falam palavrão: "Isso não é jeito de uma moça falar!"

Poxa, é bastante coisa pra gente tentar ser, não é? Eu estou cansada de me matar por beleza e por uma personalidade que não nasceu comigo, e acho que muitas de vocês, estão também. Só que é tanta cobrança vinda de tudo quanto é lugar (família, amigos, escola, namorados, amigas) que a gente desiste e abaixa a voz, fala que a irritação é culpa da TPM (e não da pessoa sendo babaca com você, claro) e recusa aquela fatia maravilhosa de bolo de chocolate. Não que esteja errado fazer regime, alisar o cabelo ou se maquiar. O errado é se sentir na obrigação disso, como se simplesmente por ser mulher, você tivesse que estar magrinha, alisada, depilada e com cílios marcantes.


Em resumo, o machismo quer, desde sempre, que nós sejamos simplesmente bonitas e caladinhas enquanto os homens fazem o trabalho. Tudo aquilo do homem trabalhar e a mulher cuidar dos filhos tem muito a ver com o receio da mulher sendo exposta pra sociedade, vivendo uma vida fora do círculo familiar. E até hoje temos isso. Quantos casos já vimos da filha que sai muito menos que o filho (e na maioria das vezes é até mais novo do que ela)?

Dão a desculpa da segurança, que somos visadas por assaltantes e estupradores. Mas será que isso não é mais um sinal de machismo? Que os homens assaltantes e estupradores nos veem como frágeis e incapazes? E nem vou entrar no assunto do estupro... não precisa falar nada né gente? O que será que pensa um cara que se acha no direito de forçar uma mulher a fazer qualquer ato sexual com ele? Machismo!

O machismo está presente em tudo. Desde os nossos lares até os cargos públicos. Existem poucas presidentas pelo mundo, bem como poucas mulheres ocupando grandes cargos em empresas. Em contrapartida, temos poucos homens que cuidam da casa e dos filhos, ou que mesmo dividem essas tarefas com sua esposa/parceira. Isso porque somos ensinadas desde criança a gostar de casinha, comidinha, romance, cuidar de bebês... enquanto eles brincam de executivo, jogador de futebol, polícia e ladrão, médico... Nos associam ao cuidar, profissões que exigem carinho e atenção (como médica e professora), paciência e meiguice, assim como a beleza. Associam os homens a profissões e atividades  agressivas, que exigem força bruta e pouca sensibilidade. O machismo faz do homem um cubo de gelo (frio, duro, insensível, indelicado) e da mulher uma florzinha (frágil, bonita, precisa de cuidados), quando na realidade, o homem não precisa ser assim e a mulher também não. Essas limitações machucam principalmente mulheres, que tem sua sexualidade julgada e reprimida, seu pensamento crítico interpretado como TPM e sua auto-estima massacrada por padrões de beleza inatingíveis. Mas isso não quer dizer que os homens também não sejam vítimas disso. Eles tem obrigação de serem machões, insensíveis, pegadores e imponentes, senão são "mulherzinha", "viado", "maricas". Se os homens não são aquilo que a sociedade cobra deles, eles são julgados como mulheres. É como se eles descessem ao nosso nível: numa sociedade em que "mulherzinha" é xingamento, dá pra falar que não existe machismo, gente?
Até em assuntos íntimos como a nossa virgindade o machismo se mete. A virgindade masculina é terrível, deve ser perdida o mais rápido possível, não importa com que garota. Já a feminina deve ser preservada até o casamento (ou pelo menos um namorado muito especial, e de muitos anos), e se acontece de maneira diferente a garota perde o seu valor. Não é justo que tenhamos nosso valor medido pelo nosso prazo de virgindade.

Vocês já perceberam como nos programas de televisão as mulheres estão sempre com roupas curtas e decotadas, raramente tendo alguma participação relevante? E as dançarinas, que ficam ao fundo do palco, simplesmente decorando o ambiente. Isso mostra uma coisa que não é novidade: quando o assunto é mulher, aparência é tudo. Se você é inteligente, bem articulada, rica e poderosa, nada disso importa em relação a sua aparência. Quando a Dilma concorreu a presidência do Brasil, havia muitos comentários sobre as roupas e acessórios da presidente, bem como a (ausência de) maquiagem da Marina Silva e seu cabelos presos de forma bem simples. Não se falava muito sobre a vestimenta do Serra. O mesmo aconteceu nos EUA quando Hilary Clinton concorreu à presidência: suas ideias e argumentos como candidata perderam espaço para a aparência dela.


O feminismo é uma discussão velha e que está sempre em transformação, porque ela trata da nossa sociedade. Se a sociedade muda o tempo todo, o mesmo acontece com os movimentos que querem melhorá-la. Não acho justo que nos prendam num padrão de beleza e comportamento e não nos deixem ser quem somos, e me sinto na obrigação (como mulher) de mostrar para vocês que muitas das coisas que aceitamos como verdades absolutas só nos oprimem e diminuem.

Espero que tenham gostado do post e que tenha sido esclarecedor para vocês.

Bom feriado :D


Nenhum comentário:

Postar um comentário