terça-feira, 31 de julho de 2012

Dica de filme

As melhores coisas do mundo




Vamos falar de cinema nacional? Não gosta? Tem preconceito? Então calma, essa dica é boa e vale a pena, nem todo filme nacional é ruim. Nossa terra tem ótimos longas, e isso vai muito além dos filmes cheios de tiros e palavrões.

As melhores coisas do mundo, é antes de tudo, um filme inspirado na coleção de livros "Mano" de Gilberto Dimenstein, e que, aliás, recomendo bastante. Li alguns livros dele no Ensino Fundamental/Médio (por vontade própria), e cada um dos livros passa uma mensagem de uma maneira bem infantil/adolescente (varia a medida que o protagonista cresce), mas ao mesmo tempo, real. É claro que sendo o filme apenas inspirado na coleção, a história do longa não tem nada a ver com o Mano dos livros.

O filme tem Mano, um rapaz de 15 anos como protagonista. Não tem nada de Malhação na história: os amigos dele bebem, fumam narguile e maconha, e estão sempre falando sobre sexo: nada diferente da realidade de muita gente nessa idade, né? É claro que além de se preocupar em estudar violão, Mano também vive outros dilemas típicos da idade, como "quem fica com quem", virgindade, amor, amizade e conflitos na família.

As melhores coisas do mundo me impressionou não por ser um filme com uma fotografia bonita ou roteiro brilhante (na verdade, não tem nada disso), mas por ser um retrato fiel da adolescência da classe média, no geral. E o que me deixou encantada com essa história é que ela é contada como se você fosse alguém de fora observando o cotidiano do Mano: você sente vontade de dar conselhos, de trazer ele pra realidade ou pedir que ele não mude quem ele é.

A trama, no geral, gira em torno da separação dos pais de Mano, a paixão de Mano pela garota mais bonita da escola e com má fama, o namoro conturbado do irmão de Mano (que é interpretado por Fiuk) e da paixão da amiga Carol por um professor. São mini-cenários que enchem a cabeça de Mano, e é por isso que você se sente tão próximo da realidade dele. Mesmo porque, ela não é nem um pouco surreal.

Achei que cada um desses temas foi abordado de uma maneira muito correta e divertida. É drama adolescente, mas não é "dramático", e sim na medida certa. Dá pra aprender assistindo, mas você não termina o filme com sensação de que assistiu a uma "lição de moral".

Enfim, acho que é super importante pra qualquer adolescente, e até pra adultos. É quase um filme de pai e mãe levar os filhos pra ver, só que mais real e interessante. Recomendo muitíssimo, e você deveria alugar, na minha opinião. Eu vi num canal de TV a cabo esses dias, e acho que ainda deve estar passando. Confesso que demorei um pouco pra assistir, porque ele já é meio velho, e eu tinha meio que preconceito com ele, mas eu gostei muito, realmente vale a pena.


^^

Nenhum comentário:

Postar um comentário